Musics....

quarta-feira, 9 de julho de 2014

As partes dos atos (Caris Garcia)

As partes dos atos
(Caris Garcia)

E a declaração se faz tão arrebatadora
O fluxo contínuo das lágrimas em meus delírios
O sentimento guardado na incubadora
Da minha arte e da ciência, sólidos princípios


 
Faz ressoar que jaz o "Basta!"
Séculos de memórias ontogênicas
O Velho Saturno esboçando a entusiasta
A velha filosofia Helenística





Tematizando marés tão desaparecidas
Entorpecendo de Diótima, as memórias
Nascendo da essência da vida...Vita!
Superestimar a singela dedicatória...


 
Envaidecendo portais tão lacrados
Cedendo todos os véus impúdicos
Coração batendo forte e acelerado
Refletindo o viço do desmaio verídico




 
Desprovidos da paixão temporária
Algo essencialmente límpido e casto
Mestres da "luce" nossa antiga confraria
Para meu casulo eu volto e te arrasto...


Nem "Cila" poderia descrever tal ato
Ao menos "Virgílio" com seus hexâmetros versos
Poderia contemplar o oposto do desacato
A rima mais solta, livre, tormento disperso



Nada findaria esta "peculiare" Odisseia
Na busca da parte setentrional da "Terra"
Poderíamos refazer a nobre assembleia
Nosso mundo, livre e sem guerra


 
Em nosso país, pelo sol banhada
Onde do norte jaz domado, o vento
Sempre caímos na mesma cilada
Temos ritmo próprio, sem mandamento


 
Jardins reluzentes entre todos os meios
Livres da velhice, do trabalho e da guerra
Só nós dois e mais nada, restando o mundo alheio
Prosa infinita que jamais se encerra


Somos exagerados e verdadeiramente sentimos
O clamor deste pavio que em terra já pousou
Tudo isso é certeiro, o toque legítimo
Ou fazemos nossa nova história, ou... ?




O fato notável que virou lenda, mito
E quem escolhe as recônditas camadas?
Quem mais poderia ouvir a dor deste coração aflito?
Vamos seguir o rumo em qual jornada?


De repente a paz invadiu o meu coração
Uma ausência das lutas, só a serenidade
O excesso sem nenhuma abreviação

O ato de Cyrano de Bergerac, amabilidade

Um comentário:

Gorete Diamante disse...

Linda poesia !quando lancar o livro quero um...