Musics....

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Celestial Overdose (Caris Garcia)

Celestial Overdose
(Caris Garcia)
 
Hidrato esta minha dormência em declínio
Com os ursos que hibernam em meus castiçais
Afogados pelos extremos e ondulados calafrios
Desistir do teu caminho? Jamais!

Páginas e páginas de experiências
O mínimo das máximas que detenho...Oh! Intrépido Rei!
Está porvir ainda o sumo de minha essência
De Ártemis, o néctar do "absinthium" me embriaguei

O "contextu" dos nexos tão enraizados
Desaguando encarceradas impurezas
Quem dera na tua miragem eu ter torneado
Reverenciando minhas correntes com leveza

Coloridas quedas d'água em suaves golpes
Tua reanimação cardíaca me trazendo de volta
Montado em "Pégasos", o cândido galope!
Contigo, até solos desertificados, a semente brota

Albatrozes e marinheiros na vigilância
Para que minhas naus cheguem em teu destino
Ao som da tua voz me guiando a distância
Como a flauta de "Pã" em seu mais suave "hymnu"

A cadência das nuvens entre as gazas
Tombadilho do abismo das canções
Ouvir o seu coração, a mente extravasa
A ardência do conceito de amor de "Camões"

O tridente fantástico das afeições em caravana
A voz trêmula, no desvario quase pronuncia
A graça enleada a vital esperança, proclama
O abandono das cinzentas nuvens da agonia

Traga-me "Toth" da sabedoria, o remédio das razões
Proclamada no sacro vergel, minhas flores de cristal
Entregando de "Circe" todas os mistérios das poções
Vamos adiante! Sempre unidos... Que tal?

http://www.youtube.com/watch?v=sbO7suLFaXc

3 comentários:

jackeline disse...

Oi miga!! Nossa! Que texto inspiradíssimo foi esse hein! Se houve Toth com a inteligência e Circe com suas fórmulas - futura alquimia... não paira sobre ti, um ar ateniense, mas a própria Atena! "Está porvir (ainda) o sumo de minha essência"... será!? Pra mim, JÁ VEIO!
bjs querida
Jacke

Petra Aureana disse...

Emocionante, suas inspiracoes so podem prover de um amor verdadeiro... sao maximas divinas...

Yehrow disse...

Era pra ser... Uma Canção de Amor!
23abr2014.

No peito descompassado
Um coração com defeito
Quem não bate mais direito
E a causa é só você
Decepção amorosa
Seu nome era rosa
Você tão delicada, mas,
Não era uma flor
Eu quis a over dose
Desse néctar de amor
Sem importar com aparências
E sequer com as consequências.
Vê agora a arritmia, a cruel,
Mórbida agonia...
Que é lhe querer dia após dia...
Não vou parar de sofrer
De amor sei, vou morrer.
Um colibri asas abertas
Coloridas, intermitentes
Voa, meu coração voa,
Voa, voa, voa, voa...
Por você não há nada
Que eu não Faria!


Lembra dessa poesia? É o que gostaria de dizer. E mais a gente nunca diz tudo, sempre fica algo por dizer... Essa sua poesia "Celestial...",ficou divina, tem bem seu toque todo especial de ser e dizer. E sua magia.