Musics....

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Néctar dos amores ( Caris Garcia)

Néctar dos amores
(Caris Garcia)

Amparo incondicional de gotas orvalhadas 
Turquesas afloradas em portos antigos
A pirâmide de abrigo em nossa jornada
Na morada dos Deuses, cante comigo...

Riqueza de uma lua quase minguante
Verdejante rua da beleza no comando
Apartando o viés da nobreza mutante
Canto a coragem do "quando?"...

Ausência do oposto da claridade
Cidade com cristais derramados no chão 
A revelação que chega em branda tempestade 
A Pedra de jade e o diamante do dragão 

Metamorfose clara da gota do amor puro
Conjuro a autentica doçura dos encantos 
Manto de perfume inigualável ! Juro!
O futuro do cume? Hoje planto...

Nem sempre reta é a trajetória
Não desfaz no inverno as pétalas frias 
No destino não existe escolha aleatória 
Que se faça sempre com sabedoria

A chave mestra é sempre protegida...
O Baluarte de inéditas transmutações 
A entrada é o início da saída 
Enigma que confunde os vulcões 


Forjando tua espada no meu chamado
O brilho que cega a alma do langoroso
Nos rascunhos vou libertando o legado
Na música francesa o alívio misericordioso


Vinde a mim as flores e elementais!
Natureza que atende os meus clamores...
O batimento compassado de notas celestiais
Libertando o néctar dos amores

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

A voz do silêncio (Caris Garcia)

A voz do silêncio 
(Caris Garcia)



O risco e um riso que se concreta
O suspirar tardio de alívio na madrugada
O ciclo que enfim se completa 
No mergulho de um boto rosa e a jangada

É ponto forte, inquebrável e duradouro 
Pequena distância do eterno infinito
Inestimável e puro tesouro 
A voz que chama no mudo grito 

O mar de vírgulas e reticências 
Como a canção silenciosa das ondinas 
Que na mente faz reverência 
Na fé , coragem e disciplina...

Quantos mais ? Quantos ainda?
As chegadas e saídas de um mesmo ponto
Prantos e sais ! A placa "seja bem vinda"
Sonetos, lendas e o conto

Quisera fosse ímpar devaneio 
Ouvindo de vez o quebrante 
Carta que chega sem selo e correio
Atendendo o chamado do viajante

Esparramando o sal da sorte
Bastão que rege a chave da dimensão 
Interligando canais de transporte
Ligando a minha e a tua constelação...

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Portais da esperança (Caris Garcia)

Portais da esperança 



Eis que surge o frescor matutino 
Que transcende o ópio dos roseirais...
A segurança do colo uterino 
O desatino da esperança em espirais


Em divina propriedade se abastecerá
Da atmosfera reluzente do seio dos dias
A leitura no pé de um jequitibá 
As peripécias dos valentes da travessia 

Na terra de pássaros e oceanos
o despertar reluz uma fração do suspiro 
A parábola de um bom samaritano
A essência da felicidade em delírio 

As manhãs se transmutando em curiosos pardais
O bailar das asas em nuvens de algodão 
Metamorfose do menos em mais
O pedir se transformando  em gratidão 

O raiar de inéditas melodias
Fragmentando notas de esperança 
O canto, o violão e a poesia
Espalhando flores pela andança 


De uma batalha que se vislumbra  a vitória 
Soprando rajadas de doce magia
Estampando bandeiras brancas na pré-história 
Abençoada pelos Deuses da mitologia 

Ah! Se apenas o verbo se calasse
E o substantivo fosse inconsequente 
Adjetivaria que o sol em sua ação face a face
Traria-lhe as máximas da paz permanente 

Sentindo a sedução da brisa 
Dissipando toda a neblina
Tempos melhores profetiza
Na fartura do amor de menina

As nuances perfeitas do paraíso 
A paz será o enigma da sabedoria
A rotina livre do infantil sorriso 
A liberdade pura em anistia