Musics....

sábado, 10 de novembro de 2012

Sensível demais...

...

Eu sou sensível as dores do mundo
TAMANHO é o abraço que dou à vida
Grande como a lágrima de um moribundo
E uma mãe sempre querida

Há épocas em que as trevas me consomem
TAMANHA a força que nem levanto
Não há milagre, remédio ou homem
Que dê cabo neste triste canto

Eu me desfaço nestes verbos imperativos
TAMANHO é o teu poder de mandar
Não há graciosidade nem incentivo
Este meu abismo vou abraçar

Há dias que o céu se faz cinzento
Mas TAMANHA é esta fortaleza
Uma cantiga deste lamento
E a poesia enterrando a tristeza

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Um raio de pensamento...

E são nesses lampejos frenéticos
Que eu me descubro em teu olhar
São devotos, religiosos e céticos
"nada " natural se "tudo "se misturar


Sair desse meu casulo cibernético
Não! Nem cogito essa idéia
Vai ser nesse canto poético
Que contarei minha Odisséia



Nesta pagina primeira
O parágrafo é todo teu
A prosa seresteira...
A viola de meu "Deus"


O capítulo se acabando
E nada da rosa desabrochar
Um mi menor de Caetano
A história vai se arrastar...


Pena esta figueira
Que somente doces pode doar
Quem não provou do Figo
Nada pode declarar

E neste finito canto
Onde a areia encontra o mar
Conto um pouco deste pranto
Para nunca mais pra trás olhar

domingo, 21 de outubro de 2012

A fraqueza

Mais fraco este ponto
O papel manchado pelo tempo
Minha vida, nem te conto
Abra a mente, fique atento

A coluna romana corroída
Só angustia e tristeza
A criança na casa parida
Olhos azuis de ternura e beleza

A impotência do não agir
A falta de esperança corroendo
A força que impede o admitir
Faça as malas e saia correndo

Um querer ser melhor
Mas nunca chega o dia
Essas pessoas tão amadas
Nao sirvo nem de companhia

As vozes que nao dão trégua
Aparecem como o carrasco e seu chicote
O galopar do pássaro e o vôo da égua
Um som ameaçador... O trote

Batendo em minha alma sem piedade
Deus me socorre !!!!
Perplexa só fica a minha humanidade
A esperança que as vezes morre...

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

A quinta gota - a escuridão


A quinta gota - A escuridão
....da gota na escuridão....
Ou a gota escura na escuridão ... 
Como queira...
(Caris Garcia)



O sangue nas sombras das lágrimas
companheira a estupidez do martírio...
tem sempre o choque que subestima
da sanidade uma vírgula e o delírio...


Não existe motivo para ser feliz
tão pouco motivo para estar triste
da felicidade ser aprendiz
na solidão o choro insiste



Será apenas a sutil imaginação ?
10 mil anos atrás, foi o ontem meu bem
para que se perder na própria alienação
ninguém entra ou sai mais, desse trem...



Há cura neste vício de insistir?
porque sangrar no escuro perdeu a graça
as cinzas que tentam exprimir
a esperança que já virou fumaça...


PS: Gotas na escuridão não tem cor, sabor, cheiro, som nem forma. Tecnicamente nem deveria existir...Somente a tristeza mais triste consegue exalar a dita gota na escuridão, pois são as lágrimas implodindo dentro da alma de quem as chora.


quarta-feira, 25 de julho de 2012

A quarta gota - nossa intensidade


A quarta gota - nossa intensidade
 
Rumo ao delta do rio egípcio
pronta para desaguar em teus braços
um mediterrâneo de flores é um indício
e nossas mãos, rumo ao poente, entrelaço...
 
Ah...é este horizonte que nos recebe!
tantas épocas de puro desejo e alegria
nossa união até o sol percebe
deste querer forte que até o cupido se beneficia
 
Admirável a longevidade deste amor
que se intensifica a cada sussurro
é simples, clássico...Dom Casmurro
sua a todo momento, revelando o criador
 
Nunca é tarde contigo...é sempre dia!
Coleciono a amabilidade de suas vogais
bailando numa tempestade de calmaria
nossos beijos e abraços quase artesanais

 

 
sem convenções ou regras para seguir
onde tudo já estava há tempos escrito
numa maestria tão celestial quanto astral...

nossa causa o mundo todo quer aderir
tenho que registrar, deixar bem dito
a mente e a alma na dança consensual...
 
entregando-se para mim tão devagar
a respiração tão lenta e abafada
e ao redor de nossas asas: as chamas

nada poderá  este elo abalar
Vem! Anda comigo no céu na estrada
Amo-te!! não tem nenhuma charada! Me ama!
 
o calor cerimonial deste amor bandido
que transmite a doçura mais angelical
não se esconde em nenhuma coordenada...

o ritmo de meu coração em ti benzido
tão intensa a cadência deste coral
Indestrutível !!! Infinito fenomenal !!

quinta-feira, 19 de julho de 2012

3. gota - A Dúvida


A Terceira gota - A dúvida
( Caris Garcia)

A doceira e o tacho de doce
três minutos que mudam o mundo
minha vida, você que trouxe
uma vida, um segundo...
 
Essas horas cheias de filosofia
D'uma expressão de significados
quase sem ar ou asfixia
o grito hoje não é abafado
 
A perfeição consistente fazendo sentido
O ato de se jogar com olhos abertos
o choro inconsciente é o melhor amigo
o corte nem todo dia é desperto
 
Senso crítico tão detalhado quanto iluminado
A flor de um vulcão perfeccionista
que desperta este ar tão abençoado
a escrita na alma, a lei abolicionista
 
No limiar entre a falha e o perfeito
O fio da meada da estrofe despreocupada
não é todo verbo ou adjetivo que aceito
Mas na mente ainda é tudo ou nada
 
Descrever momentos que o tempo para
Sem hora de partida nem de chegada
E essa paisagem eloquente e rara
E eu no abismo, na beirada...
 
O pensamento que flui livremente
A arca perdida e achada todo dia
não há corrente condizente
Na corda bamba não há acrobacia
 
Arcos trigonométricos e o tridente
não perceptíveis as viagens no tempo
Alma livre e corpo doente...(Ah! A rima deprimente...)
não há equilíbrio? Não há alento ?
 
Rompendo o espaço e tempo local
como um sino repleto de mercúrio
a sinfonia quase celestial
na poesia não se cometem perjúrios
 
Descarregando eletricidade nas afirmações
Decifrando códigos tão alheios aos demais
livre da hipocrisia e abstrações
o chalé, a montanha, condições ideais...
 
Evidências tão claras na estrutura camuflada
só entende quem as vê, digere e emana
incendiando dentro de mim esta estrada
minhas interrogações continuam a paisana...

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Rascunho 1

Rascunho (no papel de pão) rs

No pranto que me sustenta
um saber quase imediatista
das correntes que se quebram
em cada vitória alastrada

Teu pisar há de ser tão profundo
quanto ao da prole que se multiplica
num tear divino e misterioso
desta festividade chamada vida

O ato de criar se reverbera
em todos os ventos que me elevam
generosos, de tão boa vontade
que a sensação vibra nos ponteiros antigos
Acelerando os segundos que falecem na brisa noturna

Mas há de por vir um instante nesta dimensão
onde a balança e o horizonte se alinham
todas as cores se reunindo em festa
e os elementos projetarão a cadência de minha alma

O "minha" e o "nossa" alçando vôo
Borboleta e anjo
Eu e você..

quarta-feira, 18 de abril de 2012

domingo, 11 de março de 2012

2ª Gota ... Diversidade


2ª Gota : Diversidades no pensar...
(Caris Garcia)

É justamente essa riqueza

Postura e culturas adequadas
Que das flores constrói a dúbia fortaleza
Deixa tua poda para a afiada espada


... E há de por vir o momento em que tuas folhas amarelas cairão...



Eleva-te em tamanha graciosidade

A destemida se revela à cortesia
Tantos extremos e ambiguidades
O descobrimento nesta falsa democracia


...Os mudos em teu caminhar, cantarão os ecos solitários do silêncio...

Essas cores misturadas na paleta

explosões no paladar apurado
na harmonia afinada das trombetas
sentindo as gotas, lado a lado


...É no meio dessa mistura, dessa cor nova que se forma, sem cheiro, sem gosto, que o encontro contigo mesmo se dará.
Cinzas de tua própria alma avançando em escalas proporcionais a tua evolução...

É das camélias a  sua alteza

no oásis do amor, um doce banhar
o tatear lento, o dom da sutileza
em fundo surrealista, verde mar



Edificar um tijolo nesta nobre causa, 
é se afivelar na afirmação que a esperança não tarda tampouco falha...

E que causa esta seria? 
Nada que no horizonte distante me revelasse uma letra, ou unidade...

Ah! Tais mistérios nascem e morrem a todo momento!


Facilito em dizer:  o que  mais procuras está dentro de ti !



Falta exclusivamente a vontade de procurar ...




segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Primeira Gota - O Caminho


1ª Gota > O caminho

Exato o conjunto cândido dessas gotas
que atrai a retidão do caminhar perfeito
Passo a passo no labirinto cego das terracotas
escuro e úmido, quase um amor perfeito

Fico ali, de prontidão nas esquinas da vida, na espreita


"Ah sementeiro! Que de tua crista floresça
que minha alma descanse nesta sombra travessa
e que na flora tu alcances de minha alma o aroma
Pois, dia menos dia a vida ensina
Que este rei ninguém destrona
é somente ele que controla este verde-piscina"


São tantos que perseguem o porto seguro
e quando chega quer liberdade e revolução
Saindo da rotina num pensamento não tão maduro
Cabelos brincando ao vento, semblante belo e loução

únicos e singulares tesouros...
cada um com seu dom e beleza,
branco,moreno, negro, amarelo-ouro
rica mistura que ergue a fortaleza


"Tu perguntas se o amor tem prazo de validade?
ou quiçá ele seja o capitão em seu navio,
uma balança de tempestuosas ambiguidades
parando nos portos em busca de desafios?"


Sê Livre ! Livre para amar todas as cores do arco-íris sem tocá-las
ou quem sabe, se banhar nas lagoas de argila para perder a identidade

Retorna ao teu estado mais primitivo,
Volta ao fio da meada, onde tudo começa
entretanto, com a certeza que tudo é relativo
e o questionamento que jamais cessa.


"Desamarre tua ingênuidade tão inocente quanto culpada,porém a mais divina..."

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Retornando...

voltando....
escrevendo...