Musics....

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Bailes da vida (Caris Garcia)

Bailes da vida
(Caris Garcia)























Na alma intensos redemoinhos circulando
pedacinhos de você se unindo em mim
já te perguntei...Quando? Quando ?
Como posso viver assim ?

Nessa intensidade devastadora
que me arremessa em outros tempos
Saudade cruel e denegridora
Leva-me para ele!! Vento ! Vento!

Onde nos vimos pela vez primeira
E centenas de vezes novamente
Corrompendo o elo a corrente
Subindo ao paraíso das cordilheiras...

Dancei no seu ritmo
vivi a sua historia
roubei seus sentidos
desmaiei em seus braços outrora...

O baile milenar da vida
que me arrasta em sua procura
curando todas as feridas
para o amor...a abertura

Canto a música para que escute
somente sua alma irá me ouvir
Não fuja...não mude...
quero te fazer novamente sentir

Podemos...Tudo é possível aqui !
Venha ! Eu me entrego...
Não consigo mais de você fugir...
Não quero.... Não quero...

Você é mais forte que eu
Pode da vida o perfume extrair
Sentimos a neve dos Pirineus
só você me faz sorrir...

"você existe em mim
como eu existo em você

e isso o tempo nunca vai apagar..."

quinta-feira, 11 de julho de 2013

O Comandante (Caris Garcia)

O Comandante
(Caris Garcia)


















No seu coração o amor está cravado
Nele as estrelas, as noites e dias
nos seus olhos viajo num cavalo alado
o mundo todo, a roda viva da poesia

nos seus braços e abraços desperto
para um mundo todo de intensa magia
não existe proibição, o não nem o veto
você compila toda minha biografia...

Nem um lugar do mundo seria melhor
Para sempre caminhar ao seu lado
Peço que Zeus, Afrodite, vênus e Thor
Acertem o ritmo do meu coração descompassado

A vida na verdade, sem você, nunca existiu
Foi um eterno pesadelo que sozinha caminhava
Você chegou e sorrateiramente me disse...psiu....
"todo esse tempo, onde você estava?"

E dessa sua fonte infinita e imortal
eu bebo, me banho e me reanimo como antes
dançarei eternamente no seu mundo astral
O amor que ninguém explica...Nem Freud ou Dante...

Se antes era tudo um borrão, um rascunho
hoje virou inspiração, uma obra de arte
Somente ao amor dou meu testemunho
Que com você viajarei da Lua até Marte

Sinta o pulsar dessa alma errante
Que sem você, rumou sempre ao abismo
Da minha vida, você é agora comandante
velejando em mim com o mais puro romantismo

segunda-feira, 8 de julho de 2013

O Celeiro (Caris Garcia)

O Celeiro
(Caris Garcia)













O tempo corria despreocupado, meio solto
livre, sem brechas, tão pouco amarras
Borboletas, pirilampos, gafanhotos
podia-se ouvir o canto das cigarras

Subia-se no alto da montanha
E admirava-se o vilarejo, as pessoas
Você surgia maroto, com suas façanhas
Era uma vida de laços fortes, vida boa...


Saíamos a caminhar pelos verdejantes campos
Como testemunha, a lua que nos observava
Corria na frente, faceira...Te provocava
A natureza nos acompanhava com seu canto

Eu olhava para trás, lançava um sorriso
Entre as árvores, me escondia e corria
Ali criamos o mais intenso dos paraísos
"O primeiro amor repleto de doces fantasias"

Avistamos a frente um antigo celeiro
E nele resolvemos entrar... "Vem !"
Espírito cheio de inocência, ar aventureiro
"As almas que se incendeiam...Fogo contém..."

Ali deixamos nossos eternos rastros
Que será lembrado pela nossa eternidade
A pureza não estava na forma nem no ato
Mas nas notas de pureza, e do amor a intensidade...



domingo, 7 de julho de 2013

O Chamado (Caris Garcia)

O Chamado
(Caris Garcia)






















A mente rodopiava em seus umbrais profundos
Alimentando-se de suas esferas infernais
Rastejou todo sentimento moribundo
E clamou: Dancem em mim! Oh ! Ancestrais

Um caminho na noite da floresta acendeu
Com o coração batendo, ouviu os tambores
Nesta jornada adentrarei em busca do meu eu
Largo pelo caminho, o medo, tabus e pudores

Próximo de mim pude sentir tamanho o calor
De um imensa fogueira, cintilando o luar
Tinha um chamado que eu ouvia...um fio condutor
Nem se eu quisesse, era impossível me afastar

Meu corpo seguia aquela voz num louco bailar
O ritmo adentrava na alma explodindo mil megatons
Os elementos espírito, fogo, terra, água e ar
Todos juntos dentro de mim numa mistura de sons...

A dança era incessante, forte, hipnótica
O corpo já possuído tinha seu próprio querer
Não se descreve tal momento por nenhuma ótica
Tem que mergulhar no mais denso anoitecer

Aquela noite mantinha o tempo parado
o segundo teimoso não desobedecia
O sol se manteve quieto e calado
Viveram vidas inteiras na noite sem um único dia...

Nota: Recomenda-se ler a poesia ouvindo https://www.youtube.com/watch?v=jiwuQ6UHMQg


segunda-feira, 1 de julho de 2013

O Bruxo e a Fada (Caris Garcia)

O Bruxo e a fada
(Caris Garcia)

















Quando a tristeza vem vagarosa
e insiste em ocupar todos os vãos
é uma dança lenta e silenciosa
do sim guerreando com o não....

A alma já cansada, chora um grito
E do desejo uma suave sintonia
Hoje eu já sei e tenho dito
a estrela cadente nos espia

Quando você chega o mal se dissipa
e tudo que é neblina vira carruagem
um oceano de coloridas tulipas
e um moinho de madeira em homenagem

Mas ainda há caminhos que possam surgir
desse cansaço que nos abate do nada
juntos podemos nos auto acudir
o encontro entre o bruxo e a fada

Os conjuros entoados na estrada
podem ser ouvidos em nossa dimensão
Efeito dominó, camada após camada
é quase uma tempestade de algodão

E dentro da caixa preta o mistério
desvendado pelo verbo da conquista
Não obedece nenhum conhecido critério

O amor mais forte ! Felicidade jamais vista !