Musics....

segunda-feira, 9 de março de 2015

Asas da liberdade (Caris Garcia)

Asas da liberdade
(Caris Garcia)

Asas da liberdade fugidia
Que do lamento e sofreguidão
Amassou a carta de alforria
Virou no avesso o brasão...

Amparo da lágrima sombria
Nem se quer pensou, apenas partiu 
Uma pena do céu repousou na calmaria
Anjo que chega pertinho e sussurra...Psiu...

Abrindo as aladas penas deslumbrantes
Derramou um segundo da existência
Céus rosados de verbos e paradigmas gigantes
Pontos finais na metamorfose das reticências

Olhar atônito sobre a graça e o oposto
A beleza do paraíso tardio que ali já esteve
Todos no mesmo lugar, a memória, o rosto...
Ah... Aquele olhar...O impulso reteve...

Os braços, no outro, mergulhados
Como abraços se acomodando no ninho
Esqueceu de tudo, entregou o ombro cansado
Naquele instante entendeu... Nunca esteve sozinho...

Quente o conforto, o alívio divinal
A felicidade iluminada por trombetas
Em cada alma, metade de uma digital...
Fechou o olho, abriu o casulo...Voa livre a borboleta...

O reencontro mais que merecido
A esperança que a vida continua
Alívio ao coração e peito ferido
Mente entregue... Alma nua...

No apelo das lembranças do passado
Nascendo num futuro tão distante
Alicerce das gerações ao lado
As lições da comédia de Dante...

A conversa sem eira nem beira
Os segundos da tua presença requisitada
O valor de cada vírgula, a sílaba tão caseira...
"Posso ouvir teu coração em qualquer dimensão...
Do outro lado do mundo...em qualquer estrada..."



2 comentários:

Anônimo disse...

Beatrice! A tua poesia e a musica que embevece. Ambas, enebriam e transporta aos portais que não há como alcançar se não for por tua guia. Ergues a pena e novas dimensões são criadas na tua inspiração... Goteja o orvalho, serena a alma na mansidão dos teus verbos. Me faltam as palavras, tu as complementam nesta sofrida interação de corpos nas órbitas de nossa mente. Em cada verso um degrau enlevam a todos os "esses" do sonho. Se em nós a privação de asas se dá, que não nos privem os poemas de voar, e alada seja, nossa liberdade. Como sempre curvo-me a magnitude de suas reflexões... Em êxtase.

jackeline disse...

oi migaaa

sempre querendo nos surpreender com seus magavilhosus textos né...quem nao te conhece, compra! Comigo nao!rs... por mais que vc queira "tentar" nos convencer de um "estado catalítico", no TODO, no texto, nos textos, o amor clama maior! A sra é toda pureza nem adianta "tentar" mostrar a sombra do Sol! Exagerei? Sabemos que nao! rsrsr
beeeeeijos miga! Adorei o texto (como sempre)
Jacks