Musics....

domingo, 8 de março de 2015

Noite em dia... (Caris Garcia)

Noite em dia... 
(Caris Garcia)

Dias que a escuridão se aproxima
Quando a noite vira o abismo viscoso
O dia sem brilho, a poesia sem rima
O ar denso em flerte ao clima misterioso

Respirar? Nenhuma possibilidade!
Pés na movediça areia dos vermelhos mares
Desvendando toda a complexidade
Do mistério da vida e seus pilares

Firmamentos em vão da loucura de existir
Transformando o chão de vitórias em derrotas
Agora nem restará o ato de dormir
O pesadelo noturno lhe fará chacota

O seguir das bússolas sem ponteiro
Que jogam você para a face oculta da lua
Balas e almas perdidas nos tiroteios
"Engole! Cresça! Apenas evolua..."

Numa noite sem estrelas nem segundos
Pares destroçados pela iniquidade
Paralelo, entrelaçado, próximo, o teu, o meu, mundo...
A tua luz, minhas trevas...O oposto do avesso da infinita atividade!

Distantes por abismos de dívidas contraídas
Renascidos da esperança que já nasce em luto
Quando a única estrada é a tua rua sem saída
O cantor principal da minha ópera é mudo...

Ai, desses dias que já nascem abortados
Rodopiando nas esquinas da sofreguidão
Velando as estrelas que partiram sem adeus...

E o sol vem pela manhã, com megatons abençoados...
Distribuindo o "sim", curando o "não"
Renascendo para burgueses e plebeus...


3 comentários:

Anônimo disse...

"Paralelo, entrelaçado, próximo, o teu, o meu, mundo...
A tua luz, minhas trevas...O oposto do avesso da infinita atividade!"

"Nada dói mais que a distância
Somam-se as instâncias, talvez!
Das mudas paredes esperanças..."


http://youtu.be/ITHCvpK50-g

jackeline disse...

oooi miga

poetisa é poetisa mesmo na depre, né! rs
até nesse "estado" a sra consegue ser criativa apoiando-se no instinto de sobrevivência!
vc é desse mundo!? rs
parabéns miga, nem preciso falar que sou sua fã!
bjsssssss

jack

Anônimo disse...

Bom dia Caris! O status da morbidez somente traz trevas, escurece os sentidos e com isto os sentimentos. Busque ao derredor além das pessoas de seu convívio, as essências na natureza. Ela nos acalma, também nos acolhe traz sua luz de renovação, por fim nos recicla. Mesmo no compor a poesia, a poetisa, exprime sua sensibilidade e percebe-se a dor. A extensão paralela é uma opção para não viver as aflições do momento. A libertação da opressão para "nós", sensíveis, não esta no corpo, mas na alma e na mente. É certo que por esta via, encontramos o equilíbrio tão importante para amenizar a clausura do corpo e as ilusões a que nos remete o coração. Amei sua poesia, assim como amo a todas de sua lavra, voltei para comentar. O amigo de sempre.