Musics....

sábado, 6 de março de 2010

O Guerreiro

O Guerreiro
(Caris Garcia)

Segue em vento sufocante
num clima todo desértico
Caminha o guerreiro andante
sobre a vida, é um cético...

Passo vagaroso, cautela e medo
A visão é quase turva, letárgica...
Não dorme, acorda febril...É cedo!
Pensa que tudo se resume na prática...

A ação de fazer o que não foi feito
a ânsia de refazer o destruído
Coleciona tantas glórias no peito
mas não ouve mais o silêncio, só ruído...

No meio das medalhas, cicatrizes
no meio do sangue, o sofrimento...
O guerreiro nunca finca raízes
pois nada finda seu tormento...

Sua vida não permite deslizes...
nem tão pouco uma suave acolhida
Não carrega nem uma valise
para não haver a dor da partida...


A batalha ele logo encara
como se não houvesse outra escolha...
Até ganhar mais uma, não pára
derruba os inimigos como folhas...

Está tão acostumado com a guerra
que esqueceu o significado da paz...
já derrubou tanto sua alma na terra
que em alguma batalha sua alma jaz...

Às vezes um sonho o atormenta
alguém distante vem lhe abraçar...
Traz o ar puro, quase uma placenta
Devolvendo-lhe a vida bem devagar...

Um comentário:

Fernanda Odaguire disse...

Que poema forte... mas triste será?