Musics....

terça-feira, 15 de julho de 2014

Nosso Eclipse (Caris Garcia)

Nosso Eclipse
(Caris Garcia)
Ilustração do artista e amigo : Teigi Hirae





















 
Trêmula...Da maré alta e baixa, um estrondo
O vislumbre da ação do porvir é agonizante
Fecho meus olhos, no seu denso "mondo"
Esse nosso amor blindado e aconchegante

O seu amor iluminou todas as minhas dimensões
Estremecendo cada constelação no mirante
A melancolia e a solidão na tocaia das imediações
Quem procura acha! Assim dizia, meu mestre Dante!

Como os castelos antigos da tal saudade...
Novos e velhos diálogos sendo reciclados
Todas os nossos eclipses reunidos em atividade
Guardadas por Corcéis selvagens e alados

Ameniza-se o todo, com ações em conjunto
As ações paralelas e de enigmas obscuros
Com o néctar de Dionísio! Você, eu unto!
Sempre serei sua! Ah, por você, eu juro!

Juntos podemos o impossível recriar
Dos propósitos que antes eram tão abstratos
A perfeição fora do esquadro, quiçá angular
Nosso elo antigo foi restabelecido no ato!

Desprovidos do medo e carregados de audácia
Vencemos todos os tempos! Ah, épocas tão remotas...
Para você, entrego a árvore sagrada de Hathor,  Acácia...
Devolva-me seu mapa antigo, sua fuga, a rota...

Oh! Ishtar! Esse amor me devora...
Seguiria seus rastros do caos ao imprevisto
Não há o que pensar... Sinta! É essa a hora!
Nossa intensidade divinal! Nada que os mortais tenham visto...

Chega de ludibriar a sensatez e a loucura...
Equilibrando corações tão vorazes
Não existe história de amor a nossa altura
Nem os próprios Deuses seriam capazes

E amenizando sutilmente a lembrança
Do pôr do sol até a noite mais densa
Estarei contigo na pureza de uma criança
Em todas as estações, idade e doença...


7 comentários:

Noslen Ariexiet (Direitos Reservados) disse...

Vim te visitar e me deparei com esta bela poesia! Tem um ritmo melódico! Abraços musicais!

Yehrow disse...

Sigo os acordes dos teus versos e nestes poemas alcanço uma dimensão que voeja além de minhas pretensões. Descortina-se um mundo que me fascina e nas linhas descreves notas que soam a alma. Esta poesia entoa cânticos a muito esquecidos, acredito dedilhados nas primeiras Liras. Quais mais doces odes inda tens em vossos alforjes. Louvo por vossa eloquência e distinção dentre as poetisas. Ouso dizer "Musa".

Yehrow disse...

No blog. "Adônis" postei uma inédita. Seria um privilégio seu comentário.

Nadia Slath disse...


como uma amor pode se expressar numa poesia?

Nadia Slath disse...


desculpe tradutor ruim

Nadia Slath disse...

Como pode um amor expressar uma poesia?

jackeline disse...

O "todo" resume-se no verdadeiro amor, feito Frigga, feito tua poesia!
Difícil delimitar e identificar "o amor", mas pra vc, fácil e fluido, raras (ou raros) são as pessoas que a exprimem com puro sentimento e sensibilidade! Exposta pelas palavras, sem olhares! Extraordinários seres puros!...
Bjs miga
Jacke